Domingo, 27 de Setembro de 2009
É possível recorrer à Literatura para ensinar Direito? A resposta é sim, o exemplo está aqui. Leiam e descubram como Iago, o temível intriguista da peça «Othello», de Shakespeare, cometeu o crime perfeito. Mas será que os estudantes de Direito portugueses ainda sabem quem é Iago, Othello, Shakespeare? Será que tem razão quem defende que está na «altura de invertermos a pirâmide do nosso sistema educativo remetendo muitos dos nossos licenciados para os saberes da antiga 4.º classe» [expressão que retirei de um comentário ao post Bolonha, o paradigma perdido, de Rui Baptista, que encontrei no De Rerum Natura]? E se a resposta for sim, no que aos Advogados concerne, será que esta é a melhor solução? I wonder...


publicado por Nicolina Cabrita às 16:08 | link do post | comentar

3 comentários:
De Rui Baptista a 2 de Outubro de 2009 às 02:09
Começo por agradecer a transcrição da minha frase. Passe o exagero nela contido com a intenção de recriminar a falta de bases de natureza cultural dos alunos do ensino superior com génese numa instrução primária (hoje chamada de 1.º ciclo do ensino básico) altamente deficiente.

Aliás, deste estado caótico dou notícia num outro post no “De Rerum Natura”, intitulado “O exame nacional de filosofia” (23/07/2007). Nele critico o desprezo a que foi votada a Filosofia no currículo do ensino secundário. Transcrevo excertos finais:

“A facilitação em deixar passar os alunos sem testar os conhecimentos adquiridos em exames nacionais nos diversos graus de ensino conduziu a população escolar portuguesa à crítica demolidora de Vasco Pulido Valente: “Um ensino, em particular ensino superior, ineficiente e caótico e, além disso, irreformável”!

Na verdade, chegou-se a níveis de ignorância que campeiam entre os próprios diplomados do ensino superior e que não são escamoteáveis por mais tempo, pese embora, como escreve Mario Perniola, professor de Estética da Universidade “Tor Vergata” de Roma, “haver sempre uma caterva de ingénuos prontos a escrever a história da última idiotice, a solenizar as tolices, a encontrar significados recônditos nas nulidades, a conceder entrada às imbecilidades no ensino de todas as ordens e graus, pensando que fazem obra democrática e progressista, que vão ao encontro dos jovens e do povo, que realizam a reunião da escola com a vida”.

Numa altura em que novas (e, ainda mais, facilitadoras!) formas de acesso a escolas de ensino superior se divisam no futuro prenunciando técnicos despojados de uma necessária formação cultural - a que a leitura constante de textos literários e a reflexão filosófica conduzem - e em que a quantidade de diplomados pelo ensino superior supera em muito a sua qualidade, os claustros universitários devem manter-se como guardiães esforçados da Cultura Humanística, do Conhecimento Científico e da Investigação Pura e Aplicada. Num contexto de elevada qualidade e numa tradição multissecular na formação de elites!”


De Nicolina Cabrita a 2 de Outubro de 2009 às 19:58
Obrigada pelo seu comentário.

Estou inteiramente de acordo consigo. Hoje em dia é frequente encontrar licenciados em Direito que, chamados a reflectir sobre um determinado assunto, não conseguem ir além da reprodução das «conversas de mesa de café», as mais das vezes numa linguagem confrangedoramente pobre. Também a mim parece evidente que as lacunas na formação vêm do ensino básico onde, ano após ano, o nível de exigência é cada vez mais baixo. Temo, até, que o alargamento da escolaridade ao 12.º ano liquide o que resta da exigência que em tempos, se praticava...

Finalmente, estou igualmente de acordo quanto ao carácter imprescindível da formação Humanística, em geral, e da Filosofia em particular, seja qual for a área de interesses do licenciado porque a Filosofia é uma ferramenta fundamental para um exercício competente do livre arbítrio que, por sua vez, é condição sine qua non para a existência de cidadãos, na verdadeira acepção do termo. Se isto é ser elitista, então serei, com muito gosto! :-)


De Nicolina Cabrita a 2 de Outubro de 2009 às 20:00
... quando falo em escolaridade, refiro-me ao alargamento da escolaridade obrigatória ao 12.º ano, como é óbvio. As minhas desculpas pela omissão.


Comentar post

mais sobre mim
Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


posts recentes

...

Há vida além da Ordem...

de leitura obrigatória...

A quem interessar...

A vingança dos fracos

FICHA DO DIA

Uma questão de fé? Então....

Uma questão de fé? Afinal...

Uma questão de fé?

Já agora, valia a pena pe...

arquivos

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

tags

adelino da palma carlos

advocacia

alberto luís

alfredo gaspar

angelo d'almeida ribeiro

antónio marinho e pinto

antónio osório de castro

joão pereira da rosa

jorge ferreira

josé alves mendes

josé antónio barreiros

josé carlos mira

josé miguel júdice

justiça

marco aurélio

notas soltas

ordem dos advogados

pedro alhinho

prémios

reforma de bolonha

renato ivo da silva

ricardo sá fernandes

rogério alves

singularidades nuas

teresa alves de azevedo

vital moreira

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds